O cão

De alma e coração, o cão entrega-se e partilha a sua essência com a vida!

Sentidos

O ser humano associa, com alguma regularidade, novas ideias e acontecimentos à compreensão prévia que tem do Mundo, que provém das inúmeras experiências de vida. Cada uma destas experiências inclui elementos provenientes de uma associação dos sentidos, que consistem nas funções que propiciam os seres vivos de perceber e reconhecer as características do meio ambiente em que se encontram.

Os sentidos básicos do ser humano são cinco – tacto, audição, olfacto, paladar e visão, servindo-se respectivamente dos seguintes órgãos: pele, ouvidos, nariz, língua e olhos.

Prefiro ser autêntica!!!

Voltando à introspecção… Hoje, quero partilhar uma ideia diferente desta. Percebi que é nos momentos em que não correspondemos às expectativas dos outros que percebemos quem nos ama de verdade. Quero deixar claro, estou a falar de qualquer forma que o amor possa tomar. Por vezes, decidimos agir de uma forma inesperada para quem nos conhece. Quem nos ama questiona o porquê, tenta compreender a nossa decisão, a nossa atitude, procura aceitar e adaptar-se.

Acredita!!!

Por tudo isto, para mim o amor era algo que provocava sofrimento e desilusão, logo não havia lógica para ir em busca de, nem mesmo conseguia compreender o porquê de tanta energia gasta por causa do amor. Nessa altura, estava numa fase em que vivia desligada das minhas emoções. Aliás, bem cedo, bloqueei as minhas emoções. Por isso, vivia relacionamentos muito superficiais, sem qualquer ligação emocional com os outros, sem amor. E não falo apenas de relacionamentos amorosos, falo de todo o tipo de relacionamentos. A verdade é que vivia relacionamentos muito focada no acto de ter alguém e não no acto de me relacionar de forma genuína com esse alguém. Talvez por isso, sempre fui um enigma para muita gente, pois não havia uma conexão autêntica entre mim e as pessoas com quem me “relacionava”. Dez anos depois, vejo o amor de forma completamente diferente.

Sem pressas!

Um toque subtil Mão com mão… De um aproximar tímido e sentido Uma carícia… O querer estar perto Querer tocar, abraçar, beijar E ao mesmo tempo, o querer não apressar. O querer apreciar sem pressas, sem se antecipar ao momento! Como é maravilhoso este tipo de relação, tão rara hoje em dia!

A árvore

Ser único, a árvore serve de ligação entre o céu e a terra. Os seus pés, bem assentes na terra, alimentam-na do conhecimento secreto da vida. E a sua cabeça, elevada aos céus, conecta-a com o conhecimento sagrado do espírito. Em movimentos simples e autênticos, os seus braços apoiam-se no vento e bailam livremente. Ao sabor da existência, a árvore deixa levar-se pela força oculta, que abre passagem à luz dourada da consciência de si e do mundo.

A flor

Da semente dura nasce um ser singelo e frágil Que ilumina o espaço com a sua presença. A flor… Gosto de a visitar no campo. Sinto o seu aroma junto com a terra que a alimenta. Toco-a apenas com o olhar E sinto-a com uma profunda inspiração Que me enche a alma de confiança no que a vida me reserva.

Como estás?

Se não queres saber como está verdadeiramente alguém, não questiones! Dá apenas um abraço, um beijo ou um bom dia! Se sentires que a conversa apenas continua com a habitual pergunta “Como estás?”, fica em silêncio e sente esse desconforto, pouco à vontade que olhar uma pessoa nos olhos e permanecer em silêncio por vezes provoca.

Sabes dizer-me?

Sempre que paro, a minha mente foge até ti! A tua imagem… Mesmo desfocada! O som da tua voz… Corro para ela! Quero acalmar as saudades!

Sou suficiente!

Através do confronto com o que que estamos a sentir e não estamos a ser capazes de reconhecer e assumir, com o que estamos a pensar e não faz sentido, e com o que estamos a viver, mesmo que seja um vazio de palavras, chegamos à criação de quem somos de verdade! Percebi que estes momentos de bloqueio criativo surgem quando tenho necessidade de me desapegar das crenças que me levam a pensar que não sou suficiente. Sou suficiente!

Abençoada sejas!

Lá no fundo das memórias que quero recordar E não recordo!

Tantas voltas…

Vem ter comigo directamente! Sei que o queres. É esse o teu caminho. É esse o nosso caminho!

Que viagem!

Tudo parece apenas uma ilusão! Percorro caminhos escondidos no meio do nada… Um nada repleto do todo que me transporta para os teus braços. E será apenas ilusão Não sei quanto tempo mais consigo viver esta dúvida… Está a consumir-me as forças…

Ai, esta espera…

Será tudo isto apenas loucura? Ou será mais uma oportunidade? Oportunidade de quê? De aprender! Aprender o quê? A esperar pelo momento certo! Certo?! E porque não já? Será assim tão errado? É! Porquê?

Amar não é sinal de carência!!!

Este mundo anda todo louco! De um lado, um néon para promover o respeito e o fim do preconceito; do outro, um néon para rotular aquelas mulheres que apenas dão, sem pensar no que vão receber em troca. Coaching de relacionamentos??? A sério?!!! Céus!!! Quem lê o que escrevo sabe que escrevo muito sobre relacionamentos e coaching. Como coach, a minha função é co-criar com o cliente a desconstrução de crenças limitadoras e promover a mudança de perspectivas, de comportamentos, de atitudes. Não faz parte da minha função como coach, a criação de rótulos, o julgamento dos outros, nem mesmo a criação de mais crenças limitadoras. Isso não é coaching! Coaching é criar em conjunto. Coaching é estimular o não-julgamento. Coaching é promover a diminuição de conceitos e crenças preconceituosas. Coaching é amadurecimento de ideias e de pessoas. Coaching é busca de si mesmo.