Assim se concede um desejo!

Ela queria ser o melhor presente de aniversário que o irmão algum dia receberia.

Na crista da onda

Assim que o avistei, acompanhei um voo picado de várias gaivotas.

E o que fazer quando o sol teima em não aparecer?

A primeira coisa é manter o lanço… estava programado tomar o pequeno-almoço na esplanada da praia com os amigos, então seja. Se bem que antes convém vestir um casaco para precaver o frio.

Viver com compaixão nos dias de hoje: alcançável ou utopia?

A verdade é que não a deixei ali, carreguei-a comigo todo o dia. Aquela barata questionava-me! Os pensamentos, a atitude, os medos, as razões imediatas, tudo o que naquele momento tinha fundamentado racionalmente o "virar de costas"...

Depende da perspectiva

O cheiro do comboio é característico. Nunca se sabe bem a que cheira já que lá dentro se misturam vários aromas… perfumes de todos os gostos e o sentido fechado do comboio mesclam com o nosso odor corporal.

Sentada junto ao mar

Adoro ficar ali numa conversa secreta com ele.

É maravilhoso ficar ali sentada...

o sonho faz parte da vida

Passam a correr. Essa correria transporta-me ao sonho.

Escrita

Muito embora ame a escrita, há momentos de medo, de receio, de dúvida em que dou por mim a pôr em causa toda a minha capacidade de contar estórias, a minha criatividade e imaginação – como naquele dia; a dedicação de horas, de meses, de anos desprezada em segundos.

Será a consciência o caminho para a harmonia?

A consciência é apenas e só atenção! Atenção própria – atenção aos nossos pensamentos, às nossas emoções, aos nossos medos; ver com atenção o que nos rodeia e o que provoca dentro de nós. Falo da atenção sem acção – apenas observar, escutar; enfim, estar presente no momento, apenas ser sem fazer.

Espelho da alma

Hoje parei junto à montra do pronto-a-vestir, que tantas vezes serviu de espelho para o observar. Procurei a sua figura agradável, a sua expressão de gozo e os seus gestos matinais sob o som descompassado dos meus suspiros.

Como um guia

Ali, onde eu vejo luto, as crianças vêm beleza; onde eu ouço choro, as crianças ouvem sinceridade; onde eu sinto estranheza, as crianças sentem amor; onde eu critico, as crianças aceitam; onde eu duvido, as crianças acreditam.

Entre olhares

Ele procurava sentar-se bem perto dela, se bem que a ansiedade abanava-lhe as pernas. Apenas os sentimentos de vaidade o seguravam de pé. A impotência une-se aos outros quando se senta uns lugares à sua frente.

Será que antes de conhecer é possível saber?

E são estes pensamentos e convicções sem fundamento que acabam por provocar atitudes hostis e intolerantes por todo o mundo. Pelo menos começam assim – pequeninos, insignificantes, ridículos, dignos de gargalhadas – e depois evoluem para actos, movimentos, agressões, guerras baseadas em “pré-conceitos” de algo que se desconhece.

Fiel? A ti ou ao outro?

Lembrei-me de dizer que a fidelidade é uma ilusão. Caíram todos em cima de mim. “Não sabes o que dizes” gritaram uns. Outros diziam que era completamente louco. E ainda houve quem apontasse o dedo ao facto de não ter relações duradouras. Enfim, todos gritaram e ninguém procurou perceber o que dizia.