O que me trouxe até aqui…

Quando nasci, passei de uma dimensão subtil a uma dimensão densa – como qualquer um de vocês – passei de um estado etérico a um corpóreo. E assim vive a sabedoria subtil no mundo material. Até aos quatro anos vivemos (agimos) consoante essa sabedoria. Talvez por isso a leveza do toque de um bebé ou a ingenuidade de uma pequena criança… Essa sabedoria é a nossa essência Universal e subtil, que se esconde no âmago do nosso ser, rodeada de muros construídos ao longo do processo de aculturação, por que todos passamos. Estes muros são o que são, num mundo de densidade máxima. Essa subtileza é o que de mais genuíno temos em nós E é, por isso, o que nos torna mais vulneráveis! Camuflá-la é afastar de nós o que nos une à essência universal e nos leva a viver em constante procura de algo que já existe, se bem que temamos assumir.

29.Dezembro.2002

Aquela conversa levou a muita gargalhada, gozo e ao primeiro jantar oficial daquela cabana. Aquela primeira noite foi óptima enquanto o Bruno esteve comigo. Depois foi muito complicada. Estava habituada a viver acompanhada. Sempre que precisava desabafar procurava a companhia da minha mana. Até senti falta das várias intromissões da minha mãe.... como ela consegue ser chatinha! Quando estava em casa dos meus pais todas as noites conversava com a Olga. Nas duas primeiras semanas senti muito a falta da minha família, talvez por isso tenha levado tanto tempo a escolher as fotos, que coloquei na parede da sala. Todas as fotos me lembram momentos maravilhosos na companhia da família, do Nuno, de amigos, de desconhecidos... as viagens com a Olga, os fins-de-semana com o Nuno e as festas snobs da minha mãe... tudo era retratado nos milhares de fotos que reuni ao longo dos anos nos muitos álbuns que insisto em coleccionar... pelo menos os que tinha levado comigo, pois tinha deixado vários em casa dos meus pais. Foi difícil a adaptação. Essa sempre foi a minha maior qualidade! Acho que a culpa tornou a minha adaptação impossível. Sentia tanta vergonha, pois fiz tudo o que sempre critiquei. O plano estava mais do que claro na minha cabeça. Mergulhar no trabalho para adormecer aquela dor insuportável. Estava claro que a quinta seria um espaço de lazer, as obras foram desenhadas para a transformar numa quinta de turismo natural. Aquele pulmão, que tinha à volta daqueles edifícios, seria o espaço perfeito para actividades ao ar-livre.

Ciúme

No fundo, o que o ciúme está a fazer é a motivar a tomada de consciência do que se passa dentro de nós – o porquê deste ciúme, o que é que me faz sentir assim, o que é que me faz ser tão insegura nesta relação. A maior parte das vezes, esta insegurança está ligada à oscilação que vivemos ao nível da nossa auto-estima. Umas vezes temos uma auto-estima baixa e outras vezes temos uma auto-estima alta – não conseguimos estabilizar o nível da nossa auto-estima.

Be happy

Are you looking for a lover to be happy? Try something else, instead! Try to be happy by yourself. No one can make you happy. That’s your responsibility. When that happens, you’ll find someone who truly loves you!

Prefiro ser autêntica!!!

Voltando à introspecção… Hoje, quero partilhar uma ideia diferente desta. Percebi que é nos momentos em que não correspondemos às expectativas dos outros que percebemos quem nos ama de verdade. Quero deixar claro, estou a falar de qualquer forma que o amor possa tomar. Por vezes, decidimos agir de uma forma inesperada para quem nos conhece. Quem nos ama questiona o porquê, tenta compreender a nossa decisão, a nossa atitude, procura aceitar e adaptar-se.

Como estás?

Se não queres saber como está verdadeiramente alguém, não questiones! Dá apenas um abraço, um beijo ou um bom dia! Se sentires que a conversa apenas continua com a habitual pergunta “Como estás?”, fica em silêncio e sente esse desconforto, pouco à vontade que olhar uma pessoa nos olhos e permanecer em silêncio por vezes provoca.

Sou suficiente!

Através do confronto com o que que estamos a sentir e não estamos a ser capazes de reconhecer e assumir, com o que estamos a pensar e não faz sentido, e com o que estamos a viver, mesmo que seja um vazio de palavras, chegamos à criação de quem somos de verdade! Percebi que estes momentos de bloqueio criativo surgem quando tenho necessidade de me desapegar das crenças que me levam a pensar que não sou suficiente. Sou suficiente!

22.Novembro.2002

«Para mim, amor é a capacidade em adaptar-nos à pessoa com que vivemos e permitir que ela tenha o seu espaço, a sua liberdade dentro da relação. Amor é respeito mútuo. Sem isso, a disputa, a intolerância, a invasão de espaço será uma constante na relação.»

Amar…

Amar é liberdade. Amar não é ter! Amar é deixar ir!

Livre!

Vivo bem com o que sinto. Adoro o amor que nos une; Adoro como me faz sentir. E quero que sejas feliz como escolheres viver. Quero que sejas feliz. Esse é com certeza o maior desejo que tenho para ti.

Eu amo-te!

Será que ele me ama? Esta pergunta era um vaivém constante. Eu precisava de o ouvir dizer que me amava e ele precisava de me ouvir dizer que o amava. Ontem e hoje, essa necessidade invadiu-me sem dó nem piedade!

A um passo do Ser

A verdade é que esta construção foi feita baseada no comportamento, no resultado, no pensamento e nunca no ser.

Love hurts!????

How can love hurt? Love empowers! Love is joy! Love is care! Love is worth! Still, that idea keeps ruling inside. Why? Big question! Hard answer!

Adoro dançar!

Esta liberdade, este fluir nem sempre acontecem. Os corpos tocam-se e não se conectam, apenas se desencontram no ritmo, no tempo, nos movimentos.

Amor incondicional: existe ou não existe?

Amar incondicionalmente não é permitir que os outros façam tudo o que querem. O facto de definir os nossos limites é a demonstração de que nos amamos e quando os partilhamos com os nossos entes queridos estamos apenas a demonstrar que, mesmo correndo o risco de os afastar de nós, acreditamos no amor que nos une.