Continua a acreditar!

Quem rejeita, rejeita-se a si mesmo! Procura rejeitar, afastar as confusões, os conflitos, os medos, as crenças, os preconceitos que leva a sentir-se completamente perdido dentro de si mesmo! Eu não consigo desistir dos outros! Sou o tipo de pessoa que diz: “Se precisares de mim, estou cá; Se não precisares de mim, estou cá na mesma; Vive o que tens que viver para, por ti, perceberes o que estás a viver, porque a vida vai ajudar-te a perceber”. Afinal, cada um deve responsabilizar-se pela tomada de consciência do que está a fazer, do porquê de o fazer como faz e, principalmente, que impacto essas atitudes, esses comportamentos, essas palavras têm na sua vida. Estou aqui para ajudar, se quiserem a minha ajuda – é para isso que me preparo há anos, é para isso que trabalho em mim todos os dias… Agora, não é responsabilidade minha tomar consciência disso; cada um tem a sua!

Comunicação

A comunicação é como a vida, dividida em tempos e espaços. A escuta equivale à infância, em que o espaço é livre e o tempo eterno. A ponderação equivale à adolescência. Abrem-se e encontram-se os espaços, se bem que diversificam-se os caminhos; já o tempo é efémero. A fala equivale à vida adulta. Há tanto o que fazer, pouco tempo e espaço, que se torna complicado passar a mensagem. Logo, escuta muito, pondera um pouco e fala com clareza!

Espelho meu, espelho meu…

Tantas vezes julgamos os outros Confundimos acções com intenções Magoamos porque nos preocupamos Queremos o bem-estar dos nossos entes queridos E por isso, tentamos a todo o custo protegê-los. Curioso! Levados pela preocupação, julgamos eventos, comportamentos e pessoas. O amor motiva-nos a ocupar-nos do bem-estar de quem amamos! O ego, o medo, leva-nos a preocupar-nos com tudo o que, no nosso entender, pode provocar mal-estar a quem amamos. Para quê preocupar com o bem-estar dos outros, se podemos ocupar-nos do seu bem-estar?

Questionar

O mestre trouxe a chaleira, deitou o chá na chávena – e continuou a deitá-lo. A chávena já estava cheia e o chá começou a transbordar para cima do pires, mas ele continuou a deitá-lo. Foi então que o pires também ficou cheio. Só mais uma pinga e o chá começaria a transbordar para o chão, pelo que o professor disse: «Pára! O que estás a fazer? Estás louco ou quê? Não vês que a chávena está cheia? Não vês que o pires está cheio?»

Joy

Joy is a state of mind. It's a growing path. It's not something that happens, that you buy. It is something we discover deep down inside ourselves through self knowledge, self love and self compassion.

Prefiro ser autêntica!!!

Voltando à introspecção… Hoje, quero partilhar uma ideia diferente desta. Percebi que é nos momentos em que não correspondemos às expectativas dos outros que percebemos quem nos ama de verdade. Quero deixar claro, estou a falar de qualquer forma que o amor possa tomar. Por vezes, decidimos agir de uma forma inesperada para quem nos conhece. Quem nos ama questiona o porquê, tenta compreender a nossa decisão, a nossa atitude, procura aceitar e adaptar-se.

Sou suficiente!

Através do confronto com o que que estamos a sentir e não estamos a ser capazes de reconhecer e assumir, com o que estamos a pensar e não faz sentido, e com o que estamos a viver, mesmo que seja um vazio de palavras, chegamos à criação de quem somos de verdade! Percebi que estes momentos de bloqueio criativo surgem quando tenho necessidade de me desapegar das crenças que me levam a pensar que não sou suficiente. Sou suficiente!

Ai, esta espera…

Será tudo isto apenas loucura? Ou será mais uma oportunidade? Oportunidade de quê? De aprender! Aprender o quê? A esperar pelo momento certo! Certo?! E porque não já? Será assim tão errado? É! Porquê?

Amar não é sinal de carência!!!

Este mundo anda todo louco! De um lado, um néon para promover o respeito e o fim do preconceito; do outro, um néon para rotular aquelas mulheres que apenas dão, sem pensar no que vão receber em troca. Coaching de relacionamentos??? A sério?!!! Céus!!! Quem lê o que escrevo sabe que escrevo muito sobre relacionamentos e coaching. Como coach, a minha função é co-criar com o cliente a desconstrução de crenças limitadoras e promover a mudança de perspectivas, de comportamentos, de atitudes. Não faz parte da minha função como coach, a criação de rótulos, o julgamento dos outros, nem mesmo a criação de mais crenças limitadoras. Isso não é coaching! Coaching é criar em conjunto. Coaching é estimular o não-julgamento. Coaching é promover a diminuição de conceitos e crenças preconceituosas. Coaching é amadurecimento de ideias e de pessoas. Coaching é busca de si mesmo.

Sou o efeito que crio na vida!

Talvez seja mais fácil dizer que sou tudo e nada… o comportamento, a atitude, as competências, as ferramentas, os rótulos dependem da situação, do momento, da experiência! Então, quem sou eu? Sou isso mesmo! Sou eu! Sou o todo e o nada que faz de mim quem sou! E sou o efeito que crio na vida!

Mais Portugal, mais Português!!!

Resta-nos assumir o que fomos, o que somos e o que queremos ser. Assumir os erros cometidos até então! Por todos nós! Afinal, o voto dá-nos a responsabilidade de sonhar e de exigir os nossos direitos e de cumprir os nossos deveres. Votamos em governantes para facilitar a gestão do país. Mesmo assim, é nosso dever cuidar para que essa gestão seja de qualidade e justa para todos os cidadãos.

O que eu acredito faz de mim quem sou!

Mergulha no silêncio! Inspira e expira profundamente. Não forces nada. Apenas sê respiração. Não lutes com a tua mente. Deixa levar-te pelo oscilar do teu ar! Há algum acontecimento que te vem à mente? Consegues identificar alguma crença conectada a esse acontecimento? Pensaste num evento positivo ou negativo? Sentes que, sem perceber, te sabotaste de alguma forma?

O optimismo alimenta o sonho?

O caminho – o nosso caminho – clama por método, perseverança, vontade e por um estado de espírito inspirado numa filosofia de vida positiva e associado a uma postura interveniente, participativa, próprio de quem espera o melhor, contribuindo com passos concretos para atingir o desejado.
No caminho rumo aos sonhos surgem vários obstáculos para testar a nossa capacidade de acreditar na aspiração que nos move. A crise de valores pode bem ser um deles! É assim que nascem grandes feitos… nascem do sonho, da crença e de um estado de espírito que massaja a alma e empurra para a frente quando tudo parece perdido.

Influências e líderes

A verdade é que é desgastante trabalhar num ambiente organizacional doente como este tipo de liderança provoca, por isso há que (1) distinguir os vários tipos de liderança; (2) tomar consciência da nossa função dentro dela; (3) procurar implementar pequenas mudanças que possam facilitar a convivência com este tipo de liderança; e, caso não seja possível implementá-las, há que estar atento às oportunidades que surgem e ter a coragem para agarrar uma dessas oportunidades. Digo coragem, porque, grande parte das vezes, o que nos impede de sair de um ambiente assim é o medo de transformar a nossa vida – o medo de fracassar.