Escolhe agir, em vez de reagir!

coaching, comunicação intrapessoal, comunicação não violenta, meditação, auto-estima, motivação, escrita criativa, crónicas

Uma pessoa feliz escolhe agir. Uma pessoa feliz aceita e agradece o que a vida lhe atira. Uma pessoa feliz percebe o que pode aprender com cada experiência. Não julga tudo o que lhe atiram, apenas aprende! Adopta o que faz sentido para si.

Amor é…

escrita criativa, textos curtos

Amor é ... ... a energia que oferecemos a cada ser. ... o aroma com que nos dedicámos ao mundo. ... a sensibilidade que nos alimenta o espírito. ... a luz que nos conduz pelo caminho da vida! ... a vida que nos preenche a alma!

Sete contos para ti!

escrita de ficção, contos

A escrita é vital para mim. É através das palavras que me descubro e reinvento. Inspiro-me nas pessoas, nas experiências, nas oportunidades, nos sentimentos e nas emoções que a vida me oferece a cada dia. Hoje, partilho, no link abaixo, as estórias escritas na última década. Espero que te ajudem a lidar com este momento de recolhimento obrigatório. Grata por te ter na minha vida! Diverte-te!

Sou Amor!

escrita de ficção, contos

«Roma! Parabéns amigo!» «Octávio, já te disse que não me chamo Roma! O meu nome é Amor.» «Ya meu, vou mesmo chamar Amor a um gajo! Que raio de ideia!» - os quatro amigos riem - «Agora vou andar por aí “Oh Amor”. Roma é muito melhor!» (visivelmente incomodado) «Não percebo porquê! É exatamente a mesma palavra, só que ao contrário.» «Roma é muito mais forte, potente, mais de homem…» «E pelo menos não rima com fedor, terror, com…» - avança o Marco. «Estupor, pavor…» - reforça o António. «Horror…» - carrega o Rodrigo. «Pelo menos aprendem palavras novas. A professora de português vai gostar de saber. Mas o meu nome é Amor e não gosto que me tratem por outro nome!»

Recria-te!

escrita de ficção, contos

«Ok. É justo! Só podemos exigir aquilo que somos capazes de cumprir.» - procurava ganhar tempo - «Então, hãããã… Rúben… eu aceitei a tua abordagem por mensagem porque…» - respirou fundo, escondendo o olhar no chão - «Sentia-me sozinha, precisava de atenção, sentia necessidade de ser desejada e enfim… o facto de ser por mensagem fazia sentir-me em segurança.» «Doeu?» «Não. Até me sinto mais aliviada.» «Óptimo! A tarefa que o Rúben escolheu para ti foi a mesma. Estão em sintonia!» - o Ayur a provocar os dois com um sorriso irónico - «Então Rúben? Disposto a cumprir a tarefa?» «Lá terá que ser!» «Podes sempre dizer que não.» «Não… quero cumprir a tarefa! E queria que a Ana fosse verdadeira sobre o que pensou ontem à noite quando vimos aquele fenómeno da natureza mesmo debaixo da varanda do quarto dela.» - inspirou fundo e procurou coragem dentro de si - «Eu pensei nela! Pensei que o mar estava a dizer que somos duas rochas separadas pelas ondas e pela areia, se bem que unidas por um coração gigante e perfeito. E também que o que mais nos separa é também o que mais nos une! Eu não sou perfeito e tu também não… a verdade é que eu adoro as tuas manias de perfeição imperfeita!» «Rúben…» - estava sem palavras. «Não precisas de dizer nada. Temos muito tempo para falar sobre tudo isto. Não será aqui com certeza.»

Espelho meu, espelho meu…

escrita criativa, relatos pessoais, transformação pessoal, coaching, narrativa de vida, comunicação intrapessoal

Tantas vezes julgamos os outros Confundimos acções com intenções Magoamos porque nos preocupamos Queremos o bem-estar dos nossos entes queridos E por isso, tentamos a todo o custo protegê-los. Curioso! Levados pela preocupação, julgamos eventos, comportamentos e pessoas. O amor motiva-nos a ocupar-nos do bem-estar de quem amamos! O ego, o medo, leva-nos a preocupar-nos com tudo o que, no nosso entender, pode provocar mal-estar a quem amamos. Para quê preocupar com o bem-estar dos outros, se podemos ocupar-nos do seu bem-estar?

Causa – Efeito

textos curtos, escrita criativa

Nós captamos pensamentos, sentimentos, emoções dos outros da mesma forma que transmitimos os nossos pensamentos, sentimentos e emoções aos outros. Por esse motivo, devemos cuidar mais do que pensamos, sentimos e desejamos. Afinal, se emitirmos algo bom, o retorno também será bom. Se emitirmos algo dispensável, também o retorno será dispensável.

Sou suficiente!

escrita criativa, relatos pessoais, terapia sensorial

Através do confronto com o que que estamos a sentir e não estamos a ser capazes de reconhecer e assumir, com o que estamos a pensar e não faz sentido, e com o que estamos a viver, mesmo que seja um vazio de palavras, chegamos à criação de quem somos de verdade! Percebi que estes momentos de bloqueio criativo surgem quando tenho necessidade de me desapegar das crenças que me levam a pensar que não sou suficiente. Sou suficiente!

Ai, esta espera…

escrita criativa, relatos pessoais, transformação pessoal, comunicação intrapessoal, transpessoal

Será tudo isto apenas loucura? Ou será mais uma oportunidade? Oportunidade de quê? De aprender! Aprender o quê? A esperar pelo momento certo! Certo?! E porque não já? Será assim tão errado? É! Porquê?

Ser

escrita criativa, poesia

Eu quero sentir e penso. Eu quero sorrir e escondo. Eu quero estar perto e fujo. Eu quero não querer. E depois? Continuo a querer sem saber O porquê de assim o ser.

Sou o efeito que crio na vida!

escrita criativa, relatos pessoais, transformação pessoal, comunicação intrapessoal

Talvez seja mais fácil dizer que sou tudo e nada… o comportamento, a atitude, as competências, as ferramentas, os rótulos dependem da situação, do momento, da experiência! Então, quem sou eu? Sou isso mesmo! Sou eu! Sou o todo e o nada que faz de mim quem sou! E sou o efeito que crio na vida!

O que eu acredito faz de mim quem sou!

escrita criativa, crónicas, transformação pessoal, comunicação, intrapessoal

Mergulha no silêncio! Inspira e expira profundamente. Não forces nada. Apenas sê respiração. Não lutes com a tua mente. Deixa levar-te pelo oscilar do teu ar! Há algum acontecimento que te vem à mente? Consegues identificar alguma crença conectada a esse acontecimento? Pensaste num evento positivo ou negativo? Sentes que, sem perceber, te sabotaste de alguma forma?

A lo mejor, te quiero! (2)

escrita de ficção, contos

Fiquei furioso com ela. Perdi a cabeça. Fiquei mesmo furioso por me estragar a surpresa. Senti-me indesejado – esse sentimento não me deixou pensar e reconhecer que muitas vezes fez o impossível para estarmos juntos. Só pensava que estava a dificultar o nosso reencontro. Fiquei tão furioso que borrei a pintura toda. Magoei-a de uma forma estúpida e infantil. E mais ridículo é que tudo aconteceu por birra – a estupidez natural de um puto com a mania. Tanta mania que podem imaginar a minha cara quando a recepcionista me entregou aquele papel. Pensei em tudo, menos no que era de verdade. Era uma mensagem curta: "Estou lá fora. Elena”. Olhei incrédulo. A pobre mulher viu o desespero no meu olhar. Confirmou com a cabeça. Pedi licença e saí atrás dela.

Quero ser feliz!

escrita criativa, crónicas, transformação pessoal, comunicação intrapessoal

Que viagem!!! Há uns anos atrás, recebi uma dádiva do Universo, sob a forma de uma epifania tão estranhamente natural na minha vida. Num daqueles momentos em que rir magoa, sentir leveza é encarado como um sinal de loucura… Enfim, estivesse eu em casa, no trabalho, com amigos – fosse onde fosse – o mundo pesava-me as costas, não conseguia sentir-me bem, integrada.

Relações…

escrita criativa, crónicas

O mais curioso nisto tudo é que o acto de abrir o coração, o acto de falar sinceramente sobre o que sentimos é a melhor forma para evitar reacções emocionais descontroladas. Reacções estas que nos afastam dos sentimentos genuínos e, dessa forma, dos outros. Ser vulnerável é ser corajoso!

Uma menina chamada Sabedoria

escrita de ficção, contos

Aquela menina cresceu e se tornou a menina"estranha" da escola, do bairro. Onde quer que fosse, era seguida pelos amigos de quatro patas. As pessoas viam-na como uma ameaça. Ela era doce com as crianças; preocupava-se com as pessoas idosas; era compassiva com os adultos; era uma garota boa, bonita e estranha. E o que os outros viam era a estranheza que mostrava nas suas acções.

O amor magoa!!?

escrita criativa, crónicas

Como pode o amor magoar? O amor fortalece! O amor é alegria! O amor é cuidado! O amor vale a pena! Ainda assim, essa ideia controla-me por dentro. Porquê? Grande pergunta! Resposta difícil! Grande pergunta, porque essa ideia de um amor doloroso não faz sentido para mim! Pergunta difícil, porque não consigo identificar de onde veio! Então, por que acredito nisso?

Bom, mau ou assim-assim… porquê?

escrita criativa, relatos pessoais

Detestei tanto o meu dia, que não fui capaz de me concentrar no trabalho. Quase não conseguia respirar, tal era o ambiente pesado. Passei o dia a sentir-me presa no meio de um nada irritante e para quê, porquê? Para nada! E apenas porque julguei o dia, as pessoas, o ambiente, a energia, as experiências, o momento como péssimo e, principalmente, porque não correspondeu às minhas expectativas! E perguntam vocês, o que de bom tem uma situação destas? Tudo e nada! Isso não é relevante!

Amor incondicional: existe ou não existe?

escrita criativa, crónicas

Amar incondicionalmente não é permitir que os outros façam tudo o que querem. O facto de definir os nossos limites é a demonstração de que nos amamos e quando os partilhamos com os nossos entes queridos estamos apenas a demonstrar que, mesmo correndo o risco de os afastar de nós, acreditamos no amor que nos une.

Como acreditar que o amor existe?

escrita criativa, crónicas

Porque razão insistimos nós em achar que todas as relações que vivemos vão provocar as mesmas desilusões? Quantas vezes já nos desiludimos a nós mesmos? Provavelmente, muitas vezes. E como podemos achar possível que outros não nos desiludam, quando nós o fazemos? Afinal, estamos apenas a dizer que não acreditamos no amor, por causa das desilusões amorosas que sofremos. E sustentamos essa descrença numa desilusão amorosa que, por sua vez, está sustentada numa necessidade que não vimos respondida numa determinada relação amorosa. Esperávamos uma resposta e não a recebemos.

E então?!

escrita de ficção, contos

«Senhor Santos Camelo, bom-dia, fala Guilherme Sorriso, supervisor do serviço de apoio a clientes. Em que posso ajudá-lo?» «Vocês devem trabalhar muito aí! Devem, devem! Tanto tempo para falar com um “nergumo” qualquer? Palhaçada! Se fizesse o mesmo na minha empresa, já estava no olho da rua!» «Senhor Santos Camelo, em que posso ajudá-lo?» - voz firme e fria. «Não se ponha já com essas merdas, ouça-me primeiro! Vocês só estão aí porque eu vos pago o ordenado. Senão já estavam todos no olho da rua. Pode ser que os outros clientes “bos deixe” falar assim com eles, mas eu não alinho pelo mesmo “pasão”.» «Senhor Santos Camelo, como o senhor mesmo disse, nós trabalhamos muito neste call-center e por isso não podemos estar a perder tempo com insultos. Por isso, se pretende a minha ajuda, por favor vá directo ao assunto.»

Será possível não comunicar?

escrita técnica, artigos, transformação pessoal, comunicação intrapessoal, interpessoal, transpessoal

As inúmeras experiências da vida definem a compreensão que fazemos de nós, dos outros e do mundo. A essa associamos regularmente novas ideias e experiências que nos chegam através dos nossos sentidos. Os sentidos são funções do organismo que nos permitem perceber e reconhecer as características do meio envolvente.

O amor que nos faz bem!

escrita criativa, textos curtos

Amar, por vezes, é confundido com direitos, com paixões, com posse. No entanto, o que nos leva a amar é a sensação de liberdade que vivemos quando estamos em contacto com alguém que vê a nossa perfeição dentro das nossas mais estranhas imperfeições.

“Pontapé de Saída”

escrita de ficção, contos

«Sofia... há situações muito difíceis de ultrapassar na vida. Quando pensas que te amam e, na realidade, não te amam; apenas querem estar contigo por vaidade ou interesse. Ou então, quando toda a gente que te ama e admira espera que tu sejas bem sucedido, é muito difícil lidar com o insucesso. Sentes que desiludiste o mundo inteiro – pelo menos o teu mundo. E é nesses momentos que percebemos a força de um insucesso. A falta que ele nos faz para percebermos claramente a sorte que temos. Aconteceu-me há bem pouco tempo. Pensei que nunca mais ia conseguir olhar de frente para alguém. Queres saber a melhor? No dia seguinte sentia o corpo pesado e a alma leve, muito leve. Tinha uma alegria dentro de mim impressionante. Sabes porquê?»

Será que uma estrutura intersubjectiva de reconhecimento mútuo pode unir-se a uma acção comunicativa descentrada do mundo, criando assim um claro caminho de entendimento e respeito mútuo?

escrita técnica, ensaios

Marshall Rosenberg defende que a violência, seja na forma como comunicamos, como nos comportamos ou seja na forma como tratamos os outros, nasce da educação punitiva e não da natureza do ser humano, passando uma ideia de necessidade de um trabalho profundo na educação de uma sociedade mais consciente e compreensiva.
A ligação que encontrei com Habermas e Honneth vem do facto de Rosenberg defender que a forma mais eficaz de nos conectar com as outras pessoas é aprender como nos expressámos na linguagem da vida e como responder às mensagens que recebemos dos outros. Assim, diz que «In Nonviolent Communication, we try to keep our attention focused by answering two critical questions: What’s alive in us? And what can we do to make life more wonderful?» .

Enigma

escrita criativa, poesia

Não consigo lutar mais. Sinto-me tão cansada. Estou a desligar! Sinto-me a afundar nestas areias ardentes!

Caminhar para onde me levares

escrita criativa, crónicas

Sou uma ilusão criada por uma mente que não existe Ou será que existe? Não sei!

Na praia com…

escrita criativa, relatos pessoais

E para mudarmos “a merda da nossa vida”, como tão bem disseste, isso tem que mudar. Essa perspectiva que a vida é uma entidade separada de nós. Para mudarmos a nossa vida, há que começar por mudar aqui dentro (encostei o dedo indicador à têmpora direita). Para que isso aconteça, convém que comecemos por mudar a perspectiva que temos de nós mesmos, do ambiente que nos rodeia, dos outros e dos acontecimentos da nossa vida. A partir do momento em que mudamos a nossa perspectiva, estamos gradualmente a mudar o mundo!

Amor…

escrita criativa, crónicas

O ego a tomar conta de mim!!! E o que saiu? Uma folha em branco! A sério! Quem melhor que uma folha em branco para representar o Amor? Depois de muito pensar. Depois de muitos dias com a mesma folha em branco, percebi que o amor é uma folha em branco. Fechem a boca, vá lá! Acreditem! Não sou louca, nem isto é mais um programa de apanhados, se bem que seria com certeza o maior apanhado de todos os tempos!

Positivo ou negativo – ambos têm um papel na tua vida!

transformação pessoal, comunicação, intrapessoal, interpessoal, transpessoal, programação neuro-linguística, não violenta

Somos energia. E energia não é negativa nem positiva. É apenas energia. O Sol é negativo? O Sol é energia. Pode ser bom ou mau para nós. O Sol é uma boa maneira de recarregar e se sentir mais feliz. Aumenta a produção de seratonina. Isso melhora o bom humor. Mas, ao mesmo tempo, o sol pode ferir, até matar. Assim, a mesma energia pode ter um efeito positivo e negativo sobre nós. Agora, imaginem uma pilha energética à vontade. É um recipiente de energia. E a energia contida dentro fluirá para fora se o pólo positivo se conectar com o pólo positivo. Somos como a energia do Sol – Energia!