Escolhe agir, em vez de reagir!

coaching, comunicação intrapessoal, comunicação não violenta, meditação, auto-estima, motivação, escrita criativa, crónicas

Uma pessoa feliz escolhe agir. Uma pessoa feliz aceita e agradece o que a vida lhe atira. Uma pessoa feliz percebe o que pode aprender com cada experiência. Não julga tudo o que lhe atiram, apenas aprende! Adopta o que faz sentido para si.

Continua a acreditar!

escrita criativa, crónicas, transformação pessoal, coaching, comunicação, não violenta, transpessoal, programação neuro-linguística, auto-estima, motivação

Quem rejeita, rejeita-se a si mesmo! Procura rejeitar, afastar as confusões, os conflitos, os medos, as crenças, os preconceitos que leva a sentir-se completamente perdido dentro de si mesmo! Eu não consigo desistir dos outros!

Comunicação

escrita criativa, textos curtos

A comunicação é como a vida, dividida em tempos e espaços. A escuta equivale à infância, em que o espaço é livre e o tempo eterno. A ponderação equivale à adolescência. Abrem-se e encontram-se os espaços, se bem que diversificam-se os caminhos; já o tempo é efémero. A fala equivale à vida adulta. Há tanto o que fazer, pouco tempo e espaço, que se torna complicado passar a mensagem. Logo, escuta muito, pondera um pouco e fala com clareza!

Uma menina chamada Sabedoria

escrita de ficção, contos

Aquela menina cresceu e se tornou a menina"estranha" da escola, do bairro. Onde quer que fosse, era seguida pelos amigos de quatro patas. As pessoas viam-na como uma ameaça. Ela era doce com as crianças; preocupava-se com as pessoas idosas; era compassiva com os adultos; era uma garota boa, bonita e estranha. E o que os outros viam era a estranheza que mostrava nas suas acções.

Bom, mau ou assim-assim… porquê?

escrita criativa, relatos pessoais

Detestei tanto o meu dia, que não fui capaz de me concentrar no trabalho. Quase não conseguia respirar, tal era o ambiente pesado. Passei o dia a sentir-me presa no meio de um nada irritante e para quê, porquê? Para nada! E apenas porque julguei o dia, as pessoas, o ambiente, a energia, as experiências, o momento como péssimo e, principalmente, porque não correspondeu às minhas expectativas! E perguntam vocês, o que de bom tem uma situação destas? Tudo e nada! Isso não é relevante!

Multiculturalismo e o entendimento entre culturas

escrita técnica, ensaios, transformação pessoal, comunicação não violenta

O conceito de scarcity culture apenas torna claro que vivemos numa sociedade em que não existimos se não estivermos a fazer alguma coisa magnífica, em grande, com visibilidade. Existe a ideia que não interessa porque motivo as pessoas sabem o que fazemos, desde que saibam. Este tipo de cultura é alimentado pela vergonha, pela comparação entre pessoas e pelo descompromisso. A contemporaneidade encontra-se, assim, fragmentada por indivíduos perdidos entre tecnologias desconcertantes e momentos multiculturais, que juntam no mesmo espaço e tempo culturas com costumes diversos e, por vezes, contraditórios. Este abalo estrutural acaba por levar o indivíduo a desligar-se do seu papel na construção de uma sociedade assente no bem comum.

Positivo ou negativo – ambos têm um papel na tua vida!

transformação pessoal, comunicação, intrapessoal, interpessoal, transpessoal, programação neuro-linguística, não violenta

Somos energia. E energia não é negativa nem positiva. É apenas energia. O Sol é negativo? O Sol é energia. Pode ser bom ou mau para nós. O Sol é uma boa maneira de recarregar e se sentir mais feliz. Aumenta a produção de seratonina. Isso melhora o bom humor. Mas, ao mesmo tempo, o sol pode ferir, até matar. Assim, a mesma energia pode ter um efeito positivo e negativo sobre nós. Agora, imaginem uma pilha energética à vontade. É um recipiente de energia. E a energia contida dentro fluirá para fora se o pólo positivo se conectar com o pólo positivo. Somos como a energia do Sol – Energia!

Pessoas autênticas salvam o mundo!

Transformação pessoal, comunicação, intrapessoal, interpessoal, não violenta, programação neuro-linguística

Balelas! Estamos apenas a projectar a nossa falta de aceitação. Achamos que os outros não nos aceitarão, porque não nos aceitamos. E como justificamos esse pensamento? "Não, espere. Temos que fazer assim porque isso é aceite pela sociedade". Bem, há tantas pessoas que fazem esta sociedade grande, especialmente porque não estão dentro dos padrões da sociedade. Quem disse que temos que fazer coisas dentro de um certo modelo?

Sentimentos estranhos!

relatos pessoais, escrita criativa

Uau! Eu sou assim. Todas as minhas histórias de ficção são baseadas no que eu gostaria que o mundo fosse, como eu deveria ser, o que eu deveria viver. Provavelmente, isso explica a positividade nas minhas histórias. Não há dor nem sofrimento. Nada!

O que é o amor?

Uma energia que parece ter acabado e mesmo assim nos surpreende ao voltar renovada.

Viver com compaixão nos dias de hoje: alcançável ou utopia?

escrita técnica, ensaios, transformação pessoal, comunicação não violenta

A verdade é que não a deixei ali, carreguei-a comigo todo o dia. Aquela barata questionava-me! Os pensamentos, a atitude, os medos, as razões imediatas, tudo o que naquele momento tinha fundamentado racionalmente o "virar de costas"...

Depende da perspectiva

escrita de ficção, sátiras

O cheiro do comboio é característico. Nunca se sabe bem a que cheira já que lá dentro se misturam vários aromas… perfumes de todos os gostos e o sentido fechado do comboio mesclam com o nosso odor corporal.

Tinta permanente

escrita criativa, textos curtos

A meu lado viajam três parceiros esponjosos. São muito cuidadosos e apertam-se contra mim para que não deslize por aí fora, afastando-me do meu destino.

Espelho da alma

escrita de ficção, sátiras

Hoje parei junto à montra do pronto-a-vestir, que tantas vezes serviu de espelho para o observar. Procurei a sua figura agradável, a sua expressão de gozo e os seus gestos matinais sob o som descompassado dos meus suspiros.

Entre olhares

escrita de ficção, contos

Ele procurava sentar-se bem perto dela, se bem que a ansiedade abanava-lhe as pernas. Apenas os sentimentos de vaidade o seguravam de pé. A impotência une-se aos outros quando se senta uns lugares à sua frente.

A minha sociedade

escrita criativa, crónicas

Vivemos num país que vive das aparências e das exposições mediáticas. Chegamos mesmo a ouvir dizer que “quem não é mediático não é ninguém”.