Sou o efeito que crio na vida!

Talvez seja mais fácil dizer que sou tudo e nada… o comportamento, a atitude, as competências, as ferramentas, os rótulos dependem da situação, do momento, da experiência! Então, quem sou eu? Sou isso mesmo! Sou eu! Sou o todo e o nada que faz de mim quem sou! E sou o efeito que crio na vida!

Mais Portugal, mais Português!!!

Resta-nos assumir o que fomos, o que somos e o que queremos ser. Assumir os erros cometidos até então! Por todos nós! Afinal, o voto dá-nos a responsabilidade de sonhar e de exigir os nossos direitos e de cumprir os nossos deveres. Votamos em governantes para facilitar a gestão do país. Mesmo assim, é nosso dever cuidar para que essa gestão seja de qualidade e justa para todos os cidadãos.

O que eu acredito faz de mim quem sou!

Mergulha no silêncio! Inspira e expira profundamente. Não forces nada. Apenas sê respiração. Não lutes com a tua mente. Deixa levar-te pelo oscilar do teu ar! Há algum acontecimento que te vem à mente? Consegues identificar alguma crença conectada a esse acontecimento? Pensaste num evento positivo ou negativo? Sentes que, sem perceber, te sabotaste de alguma forma?

Clareza

Quem busca a harmonia estimula a evolução interior, através de um árduo trabalho emocional, uma vez que são as nossas emoções que nos ligam aos outros e nos motivam. A verdade é que é mais fácil trabalhar com os outros, porque é muito difícil aceitar o que somos e assumir os nossos erros.

Fará sentido viver a vida de forma inconsciente?

Por isso, leves o tempo que levares não te julgues nem recrimines. Isso sim é contra a vida, é contra o que te é essencial. O julgamento, julgamento de nós e dos outros, não faz parte da vida. Aceita o teu caminho! Mais depressa ou mais devagar, é o teu caminho e és tu que o tens para percorrer.

Será a consciência o caminho para a harmonia?

A consciência é apenas e só atenção! Atenção própria – atenção aos nossos pensamentos, às nossas emoções, aos nossos medos; ver com atenção o que nos rodeia e o que provoca dentro de nós. Falo da atenção sem acção – apenas observar, escutar; enfim, estar presente no momento, apenas ser sem fazer.