Como estás?

Se não queres saber como está verdadeiramente alguém, não questiones! Dá apenas um abraço, um beijo ou um bom dia! Se sentires que a conversa apenas continua com a habitual pergunta “Como estás?”, fica em silêncio e sente esse desconforto, pouco à vontade que olhar uma pessoa nos olhos e permanecer em silêncio por vezes provoca.

Crescer, sempre! E como?

“A missão de quem ama não é a de eliminar a cruz para seu bem-amado, mas a de reforçar os seus ombros para que possa carregá-la.” Neylor J. Tonin Os seres humanos apresentam uma incrível aptidão para o desenvolvimento, que segundo Idalberto Chiavenato (1994) é “a capacidade de aprender novas habilidades, obter novos conhecimentos e …

T.R.U.S.T

Imagine what happens when we look at the word Trust as an anagram?ToleranceRecognitionUnionStrengthTruthThus, trust happens when we have the Strength to Recognise and Tolerate the Truth that lives within the Union of two individuals.However, sometimes we can’t trust, even if there is no reason not to. It happens when we lack one of the five.I …

Cria clareza na tua vida!

Então, de que falo eu? Falo do peso invisível que carregamos. Será que este peso, esta sobrecarga, pode justificar o volume que acrescentei ao meu corpo? Talvez.

A um passo do Ser

A verdade é que esta construção foi feita baseada no comportamento, no resultado, no pensamento e nunca no ser.

Bom, mau ou assim-assim… porquê?

Detestei tanto o meu dia, que não fui capaz de me concentrar no trabalho. Quase não conseguia respirar, tal era o ambiente pesado. Passei o dia a sentir-me presa no meio de um nada irritante e para quê, porquê? Para nada! E apenas porque julguei o dia, as pessoas, o ambiente, a energia, as experiências, o momento como péssimo e, principalmente, porque não correspondeu às minhas expectativas! E perguntam vocês, o que de bom tem uma situação destas? Tudo e nada! Isso não é relevante!

Multiculturalismo e o entendimento entre culturas

«We live in a culture of deep scarcity, defined by this: never enough. You can fill in the blanks, never good enough, rich enough, powerful enough, safe enough, certain enough, perfect enough, extraordinary enough, and one of the most least discussed, but probably the most dangerous, not enough» . O conceito de scarcity culture apenas …

Na praia com… (2)

O que a mente está a fazer é a impedir-te de experienciar um determinado evento, porque faz um julgamento da situação mediante as lembranças de julgamentos anteriores. Isto só faz com que tu vivas memórias em vez de viveres o presente. Por isso, a ideia de Eckart Tolle de viver o Agora! Essa libertação da mente, que é o que o Osho chamava de não-mente, é difícil de atingir, porque nós construímos esse mapa mental como protecção. Por isso digo que a mente nos mente. Porque a mente serve de escudo para a vida. Mas tu só experiencias a vida, vivendo. Se te escudas de viver determinadas coisas só porque estás a viver uma situação que te recorda outra que já viveste

A talk with my higher self

Be happy. Believe in yourself. And go for everything you want to achieve.
You have a good heart, good intentions, want to improve yourself and the world.
Start living as you often say you want to live. Take a leap of faith.
Have faith in yourself.
Have faith in your strong connection with the Divine Energy.
Believe in your nature.

Fará sentido viver a vida de forma inconsciente?

Por isso, leves o tempo que levares não te julgues nem recrimines. Isso sim é contra a vida, é contra o que te é essencial. O julgamento, julgamento de nós e dos outros, não faz parte da vida. Aceita o teu caminho! Mais depressa ou mais devagar, é o teu caminho e és tu que o tens para percorrer.

Desperta! Chegou a hora!

Por fim, lembra-te que estás cá apenas para vivenciar a vida à tua maneira, tendo consciência de quem és, das aprendizagens que te trouxeram de volta a este mundo, o caminho que tens para caminhar, as vivências, as partilhas e unir tudo isso e oferecer ao mundo!
Da mesma forma que eu farei e que as outras pessoas farão!

Joy

After a short meditation, I had a flashback of my life and my attitude throughout life. The moment I started feeling miserable and pity of myself, I remembered the image of a small skinny swollen belly kid in the middle of nothing surrounded by crows.
He knew he was dying. He knew the moment he stopped those rotten meat eating crows would wipe out his flesh in seconds.
And I'm here saying he was a he. But I don't know. It might be a she! It doesn't matter, really.
A kid living that reality!? God! Why? How can that happen?
No. The right question is: how can I pity myself? How the hell can I feel miserable by not having whatever after seeing that reality?

Urge!

I was there waiting for the first words that might make some sense!
Nothing!
Nothing
And more nothing!
Why? - I thought.
Why do I need so much to write?
Why do I write?
What drives me to write?
Why?
Well, clearly I don't need to write.
I write because I want to.
That urge wasn't a need.
Or maybe it was. I don't know.
What I know is that writing brings me back to myself.
Writing is the path to my inner self.
Writing is connecting with my

Limites: a viagem do crescimento interior

Os limites clarificam a comunicação sobre o que é verdadeiro para nós e sobre o que aceitamos dos eventos da vida, tornando-nos mais conscientes do nosso valor. E dessa forma, mais carinhosos e digno de ser amados.

Comunicação Interpessoal

Pensem: quantas vezes no dia-a-dia – no local de trabalho ou mesmo em casa – tomamos decisões condicionadas por experiências do passado, que aparentemente são iguais às que vivenciamos no presente? E será que são? Será lógico pensar que estamos constantemente a viver experiências repetidas e que todos somos iguais?