O que eu acredito faz de mim quem sou!

Mergulha no silêncio! Inspira e expira profundamente. Não forces nada. Apenas sê respiração. Não lutes com a tua mente. Deixa levar-te pelo oscilar do teu ar! Há algum acontecimento que te vem à mente? Consegues identificar alguma crença conectada a esse acontecimento? Pensaste num evento positivo ou negativo? Sentes que, sem perceber, te sabotaste de alguma forma?

Quero ser feliz!

Que viagem!!! Há uns anos atrás, recebi uma dádiva do Universo, sob a forma de uma epifania tão estranhamente natural na minha vida. Num daqueles momentos em que rir magoa, sentir leveza é encarado como um sinal de loucura… Enfim, estivesse eu em casa, no trabalho, com amigos – fosse onde fosse – o mundo pesava-me as costas, não conseguia sentir-me bem, integrada.

Meditação durante o eclipse da lua

Durante a meditação, recordei-me das pessoas em vez de acontecimentos. Foi assim que consegui acompanhar o que era pedido. Curioso! Fiquei tão desconcertada com a ideia de não ter momentos felizes, que nem me apercebi que as minhas memórias encontraram pessoas maravilhosas, que, sempre que me recordo delas, me desenham um sorriso no rosto e me aquecem o coração (isto é, mais do que já é!).

Na praia com…

E para mudarmos “a merda da nossa vida”, como tão bem disseste, isso tem que mudar. Essa perspectiva que a vida é uma entidade separada de nós. Para mudarmos a nossa vida, há que começar por mudar aqui dentro (encostei o dedo indicador à têmpora direita). Para que isso aconteça, convém que comecemos por mudar a perspectiva que temos de nós mesmos, do ambiente que nos rodeia, dos outros e dos acontecimentos da nossa vida. A partir do momento em que mudamos a nossa perspectiva, estamos gradualmente a mudar o mundo!

Libertar

Meditar não é não pensar!
Pensar é intrínseco à mente!
Por isso, a ideia de uma meditação que limpa os pensamentos da nossa cabeça para cair num vazio total minava à partida uma meditação que relaxa, reenergiza e liberta.
A meditação não é limpar.
A meditação é libertar.
A meditação não é desespero nem fracasso, muito menos controlo e descontrolo.
A meditação é o acto de libertação dos pensamentos, aqueles que passam a mil à hora...
Eles estão presentes.
Nós sabemos que lá estão.
E sentimo-nos livres.
Deixamos apenas que existam.
Temos consciência deles sem nos apegarmos.
O desapego liberta-nos de coisas sem importância e conecta-nos ao que é essencial na nossa vida.

Energias renovadas através do Pranayama

Esta terapia é nada mais do que a arte de dominar a respiração, já que é através dela que recebemos o ar que nos permite viver. Esta arte é utilizada por todo mundo por desportistas, por cantores/tenores, por actores de teatro e artistas de palco. Todos aprendem a dominar a respiração de forma a projectar melhor a voz, a oxigenar melhor os músculos de forma a ter mais força durante mais tempo ou apenas para controlar o nervosismo antes de um teste importante.

União da meditação com o exercício físico

O truque é concentrar a nossa atenção na respiração. A cada inspiração sentir o ar a percorrer o organismo e a cada expiração controlar o ar de forma a aumentar o tempo da libertação do ar. A cada movimento sentir o nosso corpo, as nossas sensações, os pensamentos que nos provocam, sem permitir que nos alterem as emoções. A ideia é libertar por completo os pensamentos. Deixá-los fluir, se bem que mantendo-os à distância da nossa essência.