Eu sou o Universo!

escrita criativa, relatos pessoais, terapia espiritual, meditação, metafísica, transformação pessoal, coaching, auto-estima, motivação, narrativa de vida

Surpreende, porque nos desperta para uma maior clareza! Clareza sobre quem queremos ser… Clareza sobre como queremos sê-lo… Clareza sobre o que faz sentido… Sentido à nossa experiência nesta Terra! 2020 está a ser um ano de renascimento. Descubro um ser novo em mim, a cada dia!

Que dia!

escrita criativa, relatos pessoais, terapia sensorial, aromaterapia, transformação pessoal, coaching, narrativa de vida

Que dia surpreendente! Fechei os olhos durante uns minutos e procurei relaxar… Digo que procurei, porque não relaxei. Saí do carro e caminhei em direcção ao mar. Estava um vento frio e desconcertante! Não conseguia sentir o meu corpo. Respirar então… Impossível! Voltei para o carro Queria aquecer-me e recuperar os sentidos Recuperar o meu olfacto Recuperar a minha consciência… Levei a minha écharpe até ao nariz E senti um aroma maravilhoso Lembrei-me da sinergia de óleos que passo no corpo, todos os dias! Aquele aroma indescritível fechou-me os olhos O toque das pestanas empurrou-me para o vazio, o silêncio, a paz!

29.Dezembro.2002

escrita de ficção, romances

Aquela conversa levou a muita gargalhada, gozo e ao primeiro jantar oficial daquela cabana. Aquela primeira noite foi óptima enquanto o Bruno esteve comigo. Depois foi muito complicada. Estava habituada a viver acompanhada. Sempre que precisava desabafar procurava a companhia da minha mana. Até senti falta das várias intromissões da minha mãe.... como ela consegue ser chatinha! Quando estava em casa dos meus pais todas as noites conversava com a Olga. Nas duas primeiras semanas senti muito a falta da minha família, talvez por isso tenha levado tanto tempo a escolher as fotos, que coloquei na parede da sala.

Espelho meu, espelho meu…

escrita criativa, relatos pessoais, transformação pessoal, coaching, narrativa de vida, comunicação intrapessoal

Tantas vezes julgamos os outros Confundimos acções com intenções Magoamos porque nos preocupamos Queremos o bem-estar dos nossos entes queridos E por isso, tentamos a todo o custo protegê-los. Curioso! Levados pela preocupação, julgamos eventos, comportamentos e pessoas. O amor motiva-nos a ocupar-nos do bem-estar de quem amamos! O ego, o medo, leva-nos a preocupar-nos com tudo o que, no nosso entender, pode provocar mal-estar a quem amamos. Para quê preocupar com o bem-estar dos outros, se podemos ocupar-nos do seu bem-estar?

22.Novembro.2002

escrita de ficção, romances

«Para mim, amor é a capacidade em adaptar-nos à pessoa com que vivemos e permitir que ela tenha o seu espaço, a sua liberdade dentro da relação. Amor é respeito mútuo. Sem isso, a disputa, a intolerância, a invasão de espaço será uma constante na relação.»

Como uma sentinela!

escrita de ficção, contos

Na manhã seguinte acordei com um sorriso na cara. Dormi a noite toda, sem sobressaltos e interrupções. Ao espreguiçar-me senti os membros a soltarem-se do peso… senti as pernas a ficarem mais leves. A contracção das minhas costas libertou uma energia boa, leve e estimulante. Há muito tempo que não sentia tanta vontade de sair da cama. Levantei-me, vesti a camisola… nesse momento apercebi-me que a minha camisola de anos tinha um toque suave, agradável e reconfortante. O que me surpreendeu mais foi a forma como saí do tipi. Nos dias anteriores pousava o joelho no chão. Naquele dia não o fiz. Foi inconsciente aquele movimento. Foi natural!

Introspecção

escrita técnica, artigos

Posto isto, questiono: se a consciência está na génese de um ser racional e é constante, não dependendo da vontade do sujeito, como podemos definir a introspecção como um processo mental no qual tomamos consciência dos nossos estados mentais? Poderá a introspecção ser um processo mental no qual observamos a tomada de consciência de determinados estados mentais, que escolhemos para observar intencionalmente? Por outras palavras, a introspecção será apenas uma testemunha dessa tomada de consciência, em vez de ser a tomada de consciência. Desta forma, a introspecção seria sempre a atenção de ordem superior que falava Gilbert Ryle e o caos que referiu – o ciclo vicioso de redefinição constante da atenção de ordem superior – deixaria de fazer sentido.

Quem sou eu?

transformação pessoal, coaching, narrative coaching

Ao alterar a pergunta que fazia a mim mesma, desvendei os meus valores fundamentais, aqueles que me guiam ao longo da vida. Sim! Amor, Bondade, Gratidão, Integridade e Tolerância. A verdade é que todos são apenas um, Amor, porque tudo na vida é amor. Bem, acredito no poder do amor. Acredito num mundo de Bondade e Alegria. Vejo esse amor dentro de mim. Vejo esse amor dentro de todos ao meu redor. Ao entender isso, assumi o poder do amor como a minha maior força. Só assim poderia ser mais autêntica.

No final, tudo faz sentido

relatos pessoais, narrative coaching, auto-estima, motivação

Fugi sem saber. Sentia-me perdida, frustrada e desamparada. Lembro-me que a ideia mais comum na minha cabeça era apagar a minha vida completamente, como se fosse um computador – queria apertar o botão de apagar. Eu queria reescrever a minha vida. Como se isso fosse possível!