Pobres coitados!!!

Eram quase sete da tarde. O sol ainda brilhava no céu límpido e azul. A rua estava vestida de amontoados de pessoas em constante colisão – parecia uma pista de carrinhos de choque, habituais das feiras populares: uns desviavam-se a tempo, outros desculpavam-se em silêncio.Ao fundo, vi a betinha da minha amiga Mafalda. Ela é …

Como uma sentinela!

Aceitei o desafio sem pensar. Ainda hoje não sei como o fez. As palavras dele ficaram gravadas em mim. Quando acordei, mais uma vez sem pensar, senti cada músculo a esticar numa longa espreguiçadela.Levantei-me e fiz o que era habitual desde que tinha ali chegado… vesti uma camisola e saí do tipi – baixei-me e …